TCC – Trabalho de Conclusão de Curso em Biblioteconomia

"Nem começou e eu já quero que acabe!"

Já vi esse filme antes…

Este vai ser o segundo Trabalho de Conclusão de Curso que eu vou fazer. Mas ter uma experiência anterior não diminiu em nada a minha ansiedade, nem o nervosismo e a preocupação de, dessa vez, fazer um trabalho bem feito. Quando fiz o TCC no curso de jornalismo, a preocupação (dos professores) sempre foi em me fazer entender melhor a metodologia e os objetivos da pesquisa. A questão das normas também era muito considerada e os focos eram estes, em detrimento de todas as outras coisas (conteúdo, especialidade, etc).

Mas talvez pela minha inexperiência na época, a sensação que tenho é a de que eu não soube aproveitar bem o tempo que me foi concedido para escolher um tema mais adequado e pudesse fazer um trabalho mais consistente. Sempre que finalizamos um trabalho, acreditamos que “podíamos ter nos dedicado mais” e também que o trabalho “podia ter ficado melhor se fizéssemos X ou Y”. Mas a impressão que ficou foi a de que “tive pouco tempo” para concluir o TCC, quando na verdade o que me faltou foi foco, maturidade talvez.

Resumindo: naquela época, eu não sabia direito o que eu realmente queria “fazer da vida”, outra coisa bem complicada de descobrir.. Enfim.

Como é o TCC em Biblioteconomia na UFSC?

Se não me engano, acho que até o ano de 2006, os alunos apresentavam relatórios de estágio, em forma de monografia. Não tinha muito erro: o estágio era (é ainda) obrigatório e a partir dali poderia surgir o tema do TCC, para que o aluno pudesse dissertar sobre algo específico em que tenha tido experiência (seja em biblioteca ou outro tipo de acervo). Não sei exatamente quando a Biblioteconomia na UFSC começou a aceitar Trabalhos de Conclusão de Curso que abrangessem outros tipos de pesquisa, que não necessariamente precisam partir do ambiente de estágio.

Tem gente que acha que essa abertura da temática para os TCCs seja algo muito bom (“que ótimo que os alunos possam pensar um pouco ‘fora da casinha’ da biblioteconomia e terem outras perspectivas da profissão”, etc.). Bem como também tem gente que acha isso ruim (“acho péssimo pois isso é coisa de gente que quer implantar a CI na biblioteconomia e descaracterizar toda a área”, etc.). Ainda não tenho opinião sobre isso, se é bom ou se é ruim. Pode ser as duas coisas. Talvez daqui algum tempo eu saiba opinar melhor.

Agora estou indo pro sétimo período do curso, onde teremos a “disciplina” de TCC1, onde teremos algumas aulas e as orientações  até a pré-banca. Com o meu TCC eu estou tentando conciliar pesquisas: no meu atual projeto de IC estou fazendo uma análise conceitual do uso do termo “organização da informação” na literatura internacional, pesquisando na base de dados LISA. No meu TCC, vou fazer a análise do que é produzido referente à organização da informação no Brasil e como essa produção desenvolveu-se na CI. Não tem a ver diretamente com bibliotecas, mas é sobre biblioteconomia. É bom? É ruim? Não sei.. Mas descobri que eu gosto muito de fazer pesquisa. E isso, entre várias outras coisas, também é importante.

Tá, mas por onde que eu começo mesmo?

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Quando vamos fazer uma pesquisa, nunca sabemos direito por onde começar. Pelo tema? Pelo orientador? Pelas referências? São tantas informações que precisamos saber e (tantas certezas que precisamos ter!) no que parece ser tão pouco tempo, que às vezes ficamos confusos. Mas a verdade é que, por mais idiota que isso pareça, podemos começar por onde quisermos.. Afinal, o TCC é nosso, em primeiro lugar.

Decidir o tema da pesquisa. Isso é bastante importante, pois é a partir do que você decidir fazer que as outras decisões vão ficando mais fáceis de serem tomadas. O que você mais gosta na área?  Com o que teve experiência? Difícil terminar o curso sem gostar de nada ou sem ter feito absolutamente nada, nem estágio. Faça sobre algo que goste de verdade, pois – no meu caso pelo menos – será um ano de convivência com a  dita cuja da pesquisa. Mudar de tema no meio do caminho pode complicar o meio de campo quando estamos trabalhando com prazos, então escolha o tema com sabedoria.

Professores Orientadores. Óbvio mas esquecido (ou ignorado): saiba quem são seus professores. Analise o currículo deles, entenda qual é a área de pesquisa/especialidade de cada um, no que estão mais envolvidos. Tente, de algum modo, conciliar  o tema de sua pesquisa com alguma possível orientação. Nem sempre teremos como orientador o professor “que gostamos”, mas sim o que sabe mais sobre o nosso tema de pesquisa. Sempre bom lembrar: orientador pode ser seu amigo, mas isso não é de regra.

Conciliar experiências com uma possível orientação. O desafio é sempre esse e isso é mais difícil para quem tem uma vida acadêmica menos intensa. Além de ver um orientador que se adeque à sua pesquisa, é sempre interessante conciliar o que você já fez com o tema a ser estudado e com a orientação. Não tente “fazer seu tema atrativo” para o orientador, apenas converse sobre o que você quer e pergunte como pode ser feito.

Estrutura e Fundamentação Teórica. Depois que o tema e a orientação já estão escolhidos, aí é pensar na estrutura da pesquisa,  em como o “sumário” vai parecer. O que a pesquisa deverá conter? Sobre o que você, exatamente, vai falar? Lógico que várias partes tendem a mudar com o tempo: nenhum projeto termina parecido do modo como começou. A estrutura pode mudar várias vezes, mas ter sempre ‘o esqueleto’ do trabalho montado e em mente pode ser interessante. As versões do trabalho – capítulos, páginas, pensamentos – vão então se aprimorando com o tempo, na medida que você lê mais coisas sobre o seu tema.

Referências Bibliográficas, ou simplesmente referências: o que você já leu sobre o assunto? Já existe alguém que pesquisou algo parecido com o que você está fazendo? Os autores que você pensa em citar são clássicos, conhecidos (ou não)? Não tem muito jeito, leitura é uma das formas de enriquecer o conteúdo do seu trabalho. Sem isso o trabalho até pode existir sim – inclusive ser aprovado – mas fica fraco, insuficiente. Sabemos que hoje é inviável uma pesquisa exaustiva, em qualquer área de conhecimento que seja, mas isso não é desculpa para que as suas referências não sejam boas ou consistentes.

Ainda sobre a questão de conteúdo, é muito importante não basear-se apenas no que é aprendido na faculdade, mas também ir a eventos, estar envolvido em alguma comunidade de pesquisa ou trabalho, conhecer pessoas e outros pesquisadores da área, que poderão lhe dar dicas, muitas vezes, valiosas. É bom também saber manter certo distanciamento de orientadores e evitar criar uma dependência muito grande, utilizando a orientação como apoio, apenas.

 

About these ads

Sobre Dora

Sonhadora. Curiosa. Bibliotecária.
Esse post foi publicado em Vida Acadêmica e marcado . Guardar link permanente.

10 respostas para TCC – Trabalho de Conclusão de Curso em Biblioteconomia

  1. Rodrigo Aquino de Carvalho disse:

    Excelentes dicas Dora. Encaminhei para alguns alunos do curso de Biblioteconomia da FURG. Parabéns pelo seu Blog.

  2. Lucas Sucas disse:

    Oió! Uma coisa que faltou ali no tema de pesquisa, eu acho mais importante do que escolher o tema até, e formular um problema. Grande parte das pesquisas partem do pressuposto que existem um problema ser solucionado, seja ele prático ou teórico. A partir daí, fica bem fácil fazer o resto.

    • Dora disse:

      Bem lembrado Lucas.

      Outra coisa que também é importante e eu esqueci de citar – é saber “afunilar” a pesquisa e não querer abraçar o mundo com as pernas. Você não vai descobrir a roda, nem mudar o mundo: é só um TCC.. Se você conseguir terminar uma pequisa pequena direitinho já tá bom demais. No tema, a gente precisa criar algo que consiga dar conta de fazer, levando em consideração os estágios e as disciplinas finais do curso. Nada fácil.

  3. Mônica Pereira da Costa disse:

    Olá…
    Faço biblioteconomia na FESPSP(São Paulo), gostei muito do seu blog e também das dicas para o TCC…
    Beijinhos…

  4. Rose Mendes disse:

    Dora, estamos no mesmo barco então, rs… Eu também fiz jornalismo primeiro e agora enveredei pela biblioteconomia. sou estudante na UFG, Federal de Goiás. Vou ter que fazer o bendito TCC, mas aí com a experiencia de uma graduação e de duas especializações ficou bem mais tranquilo. Belo trabalho o do blog! Continue! Abç.

  5. Priscilla disse:

    Oi Dora, obrigada pelas dicas. Ainda estou no 5. período mas é a partir de agora que as coisas começam a caminhar para o TCC, então eu tenho que ficar atenta porque o tempo apesar de longo passa rápido.
    Um beijo…

    • Dora disse:

      Oi Priscilla,

      É bacana ir pensando desde sempre. E é importante fazer o TCC de algo que vc se identifique ou que de preferência já esteja atuando no seu estágio, etc.. Tentar unir o útil ao agradável.. Fica sempre mais complicado estagiar num tema, e fazer o TCC de outro completamente diferente.. É bom conciliar sempre que for possível. Que bom que o post ajudou.

      Beijos

  6. Claudia Regina Ferreira Corrêa disse:

    Oi dora adorei as dicas gostei muito eu já estou pensando no meu tema para o tcc.
    valeu Abraços.

  7. ERINÉIA MARIA ALVES DA SILVA disse:

    OI DORA GOSTEI MUITO DAS SUAS DICAS, ESTOU NO 6º PERÍODO DE BIBLIOTECONOMIA DA UFG E TIVE A CURIOSIDADE DE PESQUISAR SOBRE TEMAS DE TCC, POIS AINDA NEM SEI O TEMA QUE VOU PREPARA, MAS VALEU PELA ORIENTAÇÃO. HÁ GOSTO MUITO DA ÁREA DA COMUNICAÇÃO, MAS NÃO SEI SE TEM COMO UNIR ESTE GOSTO COM A BIBLIOTECONOMIA. SE TIVER ALGUMA INFORMAÇÃO EU AGRADEÇO!! ERINÉIA ALVES.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s